| [ITA] | [ENG] | [SPA] | [SLO] Clonagem terapêutica

DemoKino
DemoKino – Ágora virtual de biopolítica


Clonagem terapêutica
 
movie [wmv]
[pdf]

Eu não consigo parar de pensar nessa história acerca da clonagem. Os Radiohead fizeram um CD inteiro sobre o tema. É bem legal. Esse é um tema quente.

Até onde eu sei, o dilema sobre a clonagem humana é o que causa mais sensacionalismo, mas não é o mais recente, nem o mais perturbador, do ponto de vista ético. Talvez um ser humano jamais seja clonado, mas a clonagem terapêutica já vem sendo estudada de maneira bem concreta. Esse tipo de clonagem tem a ver com aquelas coisas estranhas chamadas "células estaminais".

Eu guardei um artigo que descreve com detalhes o que realmente são as células estaminais. O que parece ser problemático é o seguinte: o mais promissor dos desenvolvimentos da pesquisa científica é a criação de embriões através da clonagem de células somáticas com o objectivo de extrair as células estaminais em qualquer momento no futuro para curar doenças do paciente.

Isso lembra-me um romance que li, Spares, de Marshall Smith. É uma ficção científica bem assustadora onde pessoas ricas se clonam e mantêm os seus clones aglomerados em jaulas, como animais selvagens, só para retirar os seus orgãos e repor um fígado ruim, ou um rim, ou qualquer outro orgão podre. Esses clones são usados como um stock de reserva de partes; não é assustador?

É ficção, claro, e espero que essa situação nunca vá tão longe assim, mas a maneira como a clonagem das células estaminais funciona é bem similar. As células estaminais nunca evoluem para formar um ser humano, nem mesmo um feto, porque a intervenção é feita com um embrião em estado muito inicial de desenvolvimento. Porém, essas células também funcionam como "células de reserva".

Veja: as células estaminais são, na verdade, células que, por um lado, têm a capacidade de uma longa sequência de reprodução sem diferenciação, isto é, sem se transformarem em células especializadas dos sistemas nervoso, muscular, sanguíneo, entre outros; mas, por outro lado, evoluem em cadeias de células diferenciadas, como as células nervosas, células musculares, etc., sob condições específicas.

Estas são células que podem ser usadas para tratar doenças particulares derivadas da má formação genética porque as células são produzidas artificialmente e, dessa forma, o seu código genético pode ser re-programado. Quando são introduzidas em organismos, elas substituem as células doentes.

Diz aqui, por exemplo, que uma das doenças que pode ser curada dessa forma é a esclerose lateral amiotrófica, que danifica apenas os neurónios que controlam o movimento e leva à morte num período de 3 a 5 anos do seu início. Há mais de 350,000 pessoas no mundo que sofrem dessa doença, e aproximadamente 100,000 morrem dela todos os anos. Parece que é uma maneira de curar outras doenças como os diabetes, o mal de Parkinson e de Alzheimer.

Para esclarecer melhor o assunto: há células estaminais adultas, que são encontradas no miolo ósseo, no cérebro e no sangue, e que são conhecidas pelos cientistas mais ou menos à cerca de três décadas. Há também as células estaminais embrionárias, que só foram descobertas mais recentemente, e que são encontradas nos embriões. As experiências realizadas nessas células são mais recentes e ainda não se sabe ao certo como funcionam, mas vários cientistas estão ansiosos para testar a sua operacionalidade.

E é aí que reside o problema.

Para se produzirem essas células, seria necessária a reprodução de um embrião humano com as técnicas de clonagem oferecidas hoje, ou usar embriões descartados de uma inseminação artificial. Este embrião teria que crescer até ao estado de um blastócito, o que significa um estado de 14 a 18 dias de vida, quando, finalmente, as células estaminais poderiam ser isoladas da massa celular interna. Esta última intervenção, claro, destrói o embrião.

Portanto, aqueles que sustentam que embriões devem ser considerados como seres humanos a partir do momento em que o espermatozóide e o óvulo se fecundam, ou quando o núcleo de outra célula substitui o núcleo do ovário, são aqueles que se opõem a qualquer tipo de pesquisa com células estaminais embrionárias, e a qualquer tipo de prática de clonagem para razões terapêuticas. Essas pessoas acreditam que não há qualquer diferença entre clonagem terapêutica e clonagem reprodutiva porque as duas estão implícitas na criação de um outro ser vivo.

Ao contrário, a clonagem terapêutica é ainda mais atroz porque provoca a destruição do embrião.

Outras pessoas mantêm que até o 18o dia de vida o embrião não é um ser humano por não apresentar um sistema nervoso nesse estado de desenvolvimento. De forma que essas pessoas acreditam que não há problema algum em realizar pesquisas com células estaminais embrionárias, pois essas pesquisas poderão ajudar a encontrar a cura para doenças sérias, e que portanto é do interesse geral da humanidade.

E mais, um país que proíba essas pesquisas está fadado ao atraso científico e até ao progresso humano. Há dois conceitos diferentes em cheque aqui em relação à vida, à sociedade e à liberdade. Então, a questão sobre se é certo ou não permitir a clonagem terapêutica e a pesquisa com células estaminais embrionárias deverá ser respondida por cada um de nós de acordo com valores pessoais de moral e crenças sociais, como sempre.

Clonagem terapêutica, sim ou não?


Antonio Caronia.
DemoKino – Ágora virtual de biopolítica - Clonagem terapêutica.

 
 
DemoKino - Bills >>>_
  <back | aksioma